AnsiaMente

Sobre coisas irritantes e inquietantes

Faixa de pedestres: ninguém sabe se anda ou se para

Capa do álbum Abbey Road, dos Beatles

 

Por Carmen Guerreiro

 

Recentemente, estava descendo de carro a Av. Nove de Julho, em São Paulo, que surpreendentemente estava livre, quando o farol ficou amarelo. Eu estava a 60km/h e achei mais prudente passar no farol amarelo do que frear bruscamente. Acontece que percebi, quando estava passando o cruzamento, que já havia um pedestre atravessando. A moça me viu e parou sua travessia, fazendo cara de brava (do tipo “tsc tsc tsc”) e o gesto da mão pedindo para atravessar, consciente de que eu não conseguiria parar, mas em uma espécie de forma de me constranger para o fato de, supostamente, ter desrespeitado a faixa de pedestre.

Fiquei irritada.

Como uma pessoa que é mais pedestre do que motorista, me sinto no direito de reclamar de muitos pedestres (e motoristas!) diante da campanha pelo respeito à faixa de pedestres. Atenção, eu disse “campanha”, e não “nova lei”. Vamos deixar claro que a lei (número 9.503) chama-se Código Brasileiro de Trânsito e está em vigor desde 1998. Isso porque a confusão é a primeira coisa que me irrita profundamente. Quantas pessoas já ouvi dizendo “agora com a nova lei tem que parar na faixa para os pedestres!”. NÃO, pessoas! Acontece que o Brasil tem uma porção de leis, mas as pessoas escolhem se vão obedecer ou não. Na falta de fiscalização, fica sempre por isso mesmo. Só que por favor, gente, não falem que é uma nova lei. É uma campanha de conscientização para que as pessoas passem a cumprir a lei.

Então vamos deixar claro o que diz a lei? Para começar, os veículos maiores são responsáveis pelos menores e, todos juntos, pela integridade física do pedestre. Isso só quer dizer que os motoristas precisam ter bom senso porque, afinal, estão dentro de uma máquina que pesa pelo menos uma tonelada, enquanto os pedestres estão vulneráveis. Ok?

A lei diz, então, que os pedestres têm preferência à travessia quando:

1. Na faixa de pedestres, sem um farol para pedestres

2. Nas conversões, ou cruzamentos, na falta de faixa ou farol

3. Quando não há uma faixa de pedestres a uma distância de 50 metros

Isso quer dizer que, se há um farol para pedestres e ele está fechado para a travessia, atravessar é uma infração do pedestre.

Certo. Isso dito, volto ao caso da menina que me passou o sermão da cara feia. Ela queria atravessar a Nove de Julho com o farol de pedestres fechado para ela, e com o amarelo para os carros (não passei no vermelho). Ela foi imprudente. E isso é apenas um dos impropérios dos inúmeros que tenho visto nas ruas.

Há poucos meses, um taxista me xingou porque eu reclamei que, enquanto atravessava na faixa (e o trânsito da rua estava parado), ele acelerou e passou na minha frente. Na faixa na frente da escola da minha enteada, os motoristas não se “comovem” nem com a criança de dois anos de mão dada comigo e meu marido esperando para atravessar. Ignoram solenemente e ainda aceleram.

Estão todos confusos. Já vi pedestre dando sinal de mão em casos em que a preferencial não é sua. Já vi outros que pedem passagem e são ignorados. Já vi os que demoram alguns segundos para começar a atravessar, incrédulos de que tem alguém dando passagem. E os pedestres que, quando o carro para, ele decide dar passagem para o carro (aí fica parecendo uma troca de gentilezas, um pedindo para o outro passar, e os dois parados).

Já vi motorista parando para dar passagem quando o farol de pedestres está vermelho, e isso também está errado. Só existe um farol de pedestres em lugares de alto fluxo (de veículos E pedestres), e interromper isso ao seu bel-prazer é prejudicial para o trânsito e é perigoso por conta de possíveis colisões.

Outra coisa: o gesto da mão (semelhante ao que fazemos para chamar um ônibus) foi criado pela campanha, pessoal. É uma forma de constranger os motoristas a pararem e avisar que vai atravessar. Mas os motoristas que não pensem que estão desobrigados a dar passagem se o pedestre não fizer o gesto com a mão! Ele não está na lei, não. É só um elemento visual para auxiliar no cumprimento dela.

O problema disso tudo, no entanto, é que como a maior parte das leis e campanhas, essa questão da faixa só foi fiscalizada pesadamente por um tempo. Agora não tenho mais visto agentes da CET multando veículos imprudentes em relação a isso.

Há cerca de dois meses ou mais, através do site da CET, mandei dois emails diferentes, como motorista e pedestre, reclamando de duas questões no meu bairro: a falta de sincronia entre dois faróis que atrapalhava o fluxo de carros e a falta de uma faixa de pedestre em uma esquina com alto fluxo de veículos, mas que ninguém respeita a travessia. Adivinhem só? Na mesma semana, sincronizaram os faróis. Preciso dizer se implementaram a faixa de pedestres?

Anúncios

Informação

Publicado em 27/05/2012 por e marcado , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: